Guia completo para não seres enganado pelas consultoras IT em Portugal

É normal o primeiro emprego ser a trabalhar numa consultora. Neste artigo vamos explicar porque existem tantas e porque é um negócio tão lucrativo.

Existe uma imensidão de dúvidas em torno das Consultoras IT, aka outsourcing, aka talhos, aka body shopping, por esclarecer. Para ajudar a perceber melhor como estas funcionam, decidimos compilar as 8 dúvidas mais comuns colocadas pelos profissionais de IT em Portugal.

#1 Porque é que as consultoras são todas dos mesmos donos?

São diversos os motivos para existirem grupos com várias empresas iguais a prestarem o mesmo serviço:

  1. Credibilidade - depois de ter a imagem da primeira empresa “queimada”, criam outra com outro nome e continuam a saga;

  2. Limitações - clientes de grande dimensão que não permitem envio de mais do que um determinado número de cv’s. Se tiverem mais empresas conseguem enviar mais cv’s e tem maior possibilidade de conseguir as posições;

  3. Crescimento - é mais “fácil” fazer crescer uma empresa dos 0 aos 200 colaboradores do que a partir deste número. Isto porque conseguem manter estruturas de baixo custo e pouco preocupação com a retenção das pessoas. Com o crescimento a complexidade aumenta;

  4. Serviços partilhados - depois de criar a primeira empresa, podem criar uma estrutura central de contabilidade, marketing, RH, legal, … e assim manter uma estrutura partilhada para as várias empresas. No fundo, estamos a falar da mesma empresa, mas com “máscaras” diferentes;

  5. Promoção de Gestores / Status - visto ser um modelo de trabalho muito simples é possível replicar facilmente e levar um Manager que se destaca de uma empresa para a criação de outra ao lado. Com isto dão status ao novo líder e evitam potencial concorrência - género de esquema ponzi, mas legal;

  6. Posicionamento - ter marcas mais direcionadas a clientes “premium” onde fazem preço mais altos e outras dedicadas aos parentes pobres onde cedem em mais temas, como margens mais baixas, possibilidade de internalização das pessoas mais rápida, menos benefícios, etc. -> o objetivo é responder a todo o mercado.

#2 Porque é que não param de aparecer mais consultoras?

É um negócio altamente rentável, com margens muito elevadas (em média entre 25% a 40%). Têm um modelo muito simples em que para começar apenas é necessário dinheiro e contatos.

Poderíamos colocar a questão: Porque é que existem quando ninguém gosta delas? A resposta é: Porque as empresas adoram-nas!

As vantagens de contratar um recurso externo são muitas. Desde a passagem de riscos fiscais como falsas ajudas de custo para as consultoras, até posicionar custos com trabalhadores como custos de projecto em vez de custos operacionais (que tradicionalmente se querem baixos para agradar a accionistas e/ou board de administradores).

#3 Porque é que as consultoras têm margens financeiras tão grandes?

Destacamos 3 motivos:

  1. Escassez de mão de obra qualificada no mercado IT faz com que possam pedir rates mais elevados aos clientes;

  2. Utilização de ajudas de custo e outros “esquemas” semelhantes, que fazem com que os custos baixem e assim aumentem as margens;

  3. Embora seja um negócio muito rentável, tem um problema de cashflow a resolver (fluxo de dinheiro que entra e sai da sua empresa). O principal custo das consultoras são os salários que têm de ser pagos ao fim de cada mês, mas o mais comum é receberem do cliente com um delay entre 30 a 90 dias, o que causa um problema de tesouraria. Exemplo:

Imagem com tabela sobre custos salariais

A título de exemplo, consideremos um custo com salário de 2000€ mensal e uma margem de 30% com recebimento a 60 dias.

Verificamos então que o break even point (ponto em que o custo total e a receita total são equivalentes) só é atingido 7 meses depois da integração do consultor no projeto.

Neste exemplo estamos a considerar apenas uma pessoa, mas se tivermos em consideração que as consultoras são empresas de crescimento rápido, com várias entradas por mês, é preciso de facto uma margem elevada para manter a empresa no mercado.

Note-se que nesta simulação apenas estamos a considerar valores diretos, depois é preciso colocar toda a estrutura de custos da empresa (gestores, escritórios, marketing, contabilidade, etc…).

#4 O que acontece quando eu ficar sem projeto?

Tipicamente a primeira coisa que estas empresas fazem é mandar-te regressar ao escritório da sede diariamente, colocar-te em formação ou alocado a projetos internos ou secundários, para te manter ocupado. Paralelamente começam a procurar outro projeto para te colocar.

Aí podem também tentar forçar-te a trabalhar com tecnologias que não queres, não gostes ou que nem sequer sabes.

Maioritariamente, se não encontrarem projeto num espaço relativamente curto (0 a 8 semanas em média) terminam o contrato ou colocam-te em “situação” de te despedires, frequentemente terminando ajudas de custo ou outras componentes que fazem o teu salário baixar significativamente.

Claro que aqui estamos a generalizar e existem empresas que atuam de outra forma, mas são a exceção.

#5 E se me cortarem as ajudas de custo para eu me despedir?

Apesar de serem “vendidas” como parte integrante do salário - já agora isto é ilegal - não o são e por isso podem ser retiradas a qualquer momento.

A única coisa que podes fazer é provar em tribunal que são um valor recorrente e por isso consideradas parte integrante do salário. Assim a empresa tem que pagar os valores em falta, no entanto tu também terás que pagar impostos sobre esse valor e as despesas anteriores que recebeste.

O mais importante é ter boa noção dos contratos e com que empresa o fazes, para ponderar os riscos e benefícios presentes.

#6 Porque é que há empresas que só "contratam" por consultoras/outsourcing em vez de contrato directo?

Os dois principais motivos são:

  1. Foco no core business - os bancos, por exemplo, que têm grandes centros de competências técnicas, têm um número de internos reduzido, e grande parte das equipas trabalham em outsourcing. Com isto, conseguem ter flexibilidade para fazer crescer e reduzir as equipas dependendo das necessidades do negócio.

  2. Dificuldade em atrair o talento - a necessidade de pessoas na área de IT é muito elevada e dificilmente existe alguma equipa de engenharia no país que não esteja subdimensionada para o trabalho que tem em mãos, o que significa que existe uma grande pressão para contratar mais pessoas.

Perante este problema, das duas uma, ou as empresas criam um mega departamento de recrutamento (recrutadores, ferramentas, campanhas, …) ou simplesmente enviam o pedido do perfil que procuram a 10 ou 20 consultoras e no dia seguinte têm CV 's para entrevistar. Depois, como a grande maioria tem cláusulas para poder contratar a pessoa ao fim de algum tempo, ficam com o problema resolvido de uma forma mais ágil, rápida e menos custosa.

#7 Porque é que pedi ao manager para me trocar de projecto e ele me ignorou?

Em primeiro lugar, porque é um mau Manager. Com essa atitude vai sem dúvida perder uma pessoa da equipa, porque se não mudar, haverá outra empresa que o fará.

Agora, poderão, haver outras causas, como a política da consultora, o contrato com o cliente não o permitir, ou o prémio que irá ganhar se ficares mais tempo no projeto….

Em todo o caso, o mais importante aqui é a falta de clareza e transparência demonstrada. Qualquer que seja o motivo, se for comunicado, podes tomar uma decisão informada. Se a consultora fizer de tudo para agradar ao cliente é uma grande red flag de como trata os seus consultores.

#8 E as ajudas de custo? Porque é que as empresas usam e abusam desta prática ainda que quase sempre ilegal?

O motivo é simples. Usando ajudas de custos conseguem reduzir o custo dos salários, ter um preço atrativo para o cliente, ter o salário líquido desejado pelo trabalhador e ainda assim ter uma excelente margem de negócio. À partida parece tudo bem, só que não!

Estamos a falar de uma prática ilegal, muito dificil de provar, pois para tal seria necessário fiscalizar de uma forma muito austere, para o qual o Estado não tem capacidade. Na realidade o próprio Estado utiliza serviços de consultoras para manter os seus sistemas, ou seja, de alguma forma são também coniventes com a prática.

Não parece haver uma solução fácil para este tema. A única coisa que podes fazer é recusar propostas com esta componente… Talvez seja mais difícil encontrar projeto, mas pode compensar! Se queres saber mais sobre o tema das ajudas de custo, consulta o nosso artigo sobre o tema.

 

A partilha de reviews dá-nos poder enquanto informáticos. Por isso, participa na maior comunidade tech do país aqui e ajuda a tornar o mercado de IT mais transparente para todos.

Aproveita e partilha também as tuas experiências de emprego e entrevista.

Se tiveres outras questões que gostava de ver respondidas em outros artigos, envia sugestões para o email suporte@teamlyzer.com

Partilhar este artigo

Faz a review da tua empresa

Partilha como é o teu (ex) empregador. É anónimo e leva 3 minutos!