Como as empresas te enganam no eBay, Amazon e Glassdoor

Uma investigação do WSJ descobriu que as empresas inundam os sites de reviews com avaliações de 5 estrelas através da pressão aos funcionários.

Desde reviews falsas até funcionários obrigados a publicá-las. Passando pela existência de grupos de Facebook a farmar reviews até serviços que geram avaliações usando redes neuronais.

O problema é sério, a roçar a fraude. E estas plataformas pouco fazem para o resolver.

No Teamlyzer começa a haver empresas que trazem maus hábitos doutras plataformas que aceitam reviews. Nomeadamente do Google, Facebook ou Glassdoor.

O mais recorrente são managers, ou pessoas pertencentes ao departamento de marketing e recursos humanos, que tentam publicar avaliações como informáticos. Quando não o são. A única intenção é subir o rating para se parecer aquilo que não se é.

O despiste é relativamente fácil. Pelo email que usam e pela classificação que dão. São reviews pouco detalhadas, genéricas, sem salário e com pontuação muito alta. Normalmente também são criadas logo após o registo de conta. A combinação destes factores sinalizam-na como potencialmente fraudulenta.

fake-happy

 

Um dos maiores estudos sobre manipulação de reviews analisou milhões delas no Glassdoor. Foi realizado pelo Wall Street Journal em colaboração com vários matemáticos.

O Companies Manipulate Glassdoor by Inflating Rankings and Pressuring Employees confirmou uma série de suposições que agora transcrevemos como certezas.

  • Muitos empregadores procuram influenciar a opinião pública a seu favor. Fazem-no através da publicação concertada de reviews positivas.

  • Existem empresas que estão activamente a pressionar funcionários para dar avaliações positivas. No artigo fala-se da SAP, Slack ou LinkedIn.

  • Algumas confirmam que este comportamento faz parte da sua estratégia de marketing. As baixas classificações podem desencorajar candidatos a concorrer e aumentar os custos de recrutamento.

  • Centenas de empresas têm picos de novas avaliações em determinados períodos. São fluxos historicamente desproporcionais aos restantes meses.

  • Mais de um quarto dos picos vieram em Outubro - exactamente no prazo final da classificação anual do "Best Places to Work" promovido pelo Glassdoor. Outros picos coincidem com emails de solicitação das reviews.

  • 45% das avaliações nesses períodos são de classificação máxima de cinco estrelas.

  • O total de reviews de cinco estrelas aumentou de 17% em Janeiro de 2013 para 28% em Dezembro de 2018.

  • Nos picos mais extremados, a percentagem de novas avaliações de 5 estrelas é 98% maior que nos meses adjacentes.

 

Saltando para Marketplaces como a Amazon ou Ebay. Esta investigação descobriu grupos do Facebook onde são feitos reembolsos a troco de avaliações positivas.

facebook-screenshot

 

Por norma é obrigatória a compra para poderes publicar a review. Por isso a regra é fazer o reembolso acrescido de um bónus pelo Paypal. A troca é feita pela review de cinco estrelas. Uma pesquisa pelo Facebook e vais encontrar os grupos (e.g. Amazon Deals Group).

Outro estudo revela que chegam a existir empresas em que o negócio é vender determinado pack de reviews de cinco estrelas. O cliente escolhe o produto e a empresa cria determinado número de reviews falsas.

 

Depois de uma crítica de três estrelas foram informados de que não seriam reembolsados, a menos que escrevessem uma crítica de cinco estrelas. O investigador recusou, então não foi reembolsado pela compra.

 

É frequente que o único objectivo das reviews seja induzir-te em erro. Levando-te a tomar decisões que doutra forma não tomarias se conhecesses a verdadeira realidade.

No Teamlyzer já eliminamos as suspeitas doutras plataformas apagarem reviews negativas através da blockchain.

Agora surge-nos o problema das reviews mal-intencionadas que exigem muito trabalho manual. Dada a nossa pequena dimensão conseguimos fazê-lo com sucesso.

É contudo um sério desafio. É muito mais simples falsificar a percepção pública do que corrigir problemas internos nas organizações.

Para combater este comportamento vamos adicionar um novo campo nas reviews. Nele o colaborador vai poder indicar se foi coagido pelo empregador a escrevê-la. Iremos excluir essas pontuações do rating agregado da empresa.

Como é evidente o Teamlyzer não é a solução para todos os problemas. Mas estamos a tentar o nosso melhor para aumentar a transparência no mercado de trabalho português.

Ficam dois links recentes, e elucidativos, onde se discute o problema da manipulação das reviews.