7 simples passos para escrever melhores emails de recrutamento

Saiba como escrever um cold email perfeito. Dicas destinadas a recrutadores, técnicos de RH e managers .

A abordagem de um recrutador ao potencial candidato, sendo através de um Cold InMail (LinkedIn) ou Cold Email, considera três objectivos.

  1. Ser aberto - O título, assunto e remetente têm de gerar curiosidade.
  2. Ser lido - A mensagem deve, obrigatoriamente, ter conteúdo relevante para o candidato.
  3. Ser respondido - O texto deve gerar interesse, ao ponto de ser respondido.

Profissionais na área das Tecnologias da Informação (TI) recebem centenas de abordagens. Muitas deles são impessoais, iguais a tantas outras, e por isso, muitas vezes acabam ignoradas pelos destinatários.

#1 - Encontrar um facilitador de contacto

Uso de contacto como facilitador para email de recrutamento

Encontrar alguém conhecido na sua rede de contactos, para que esta faça a ponte entre si e o potencial candidato.

Conseguir ser endereçado é meio caminho andado para estabelecer uma conversa preliminar e captar a atenção.

#2 - Escrever um texto para cada candidato

Email de recrutamento personalizado

A maneira mais simples de se distinguir passa por informar-se melhor que os outros recrutadores. É fundamental saber o que procura o potencial candidato.

Qual é a sua proposta de valor? O que o diferencia de outros recrutadores e empresas?

Quanto mais personalizado for o seu contacto, maiores as hipóteses de sucesso. Se não perde tempo a fazer este trabalho de investigação, é provável que o potencial candidato também não tenha tempo, nem vontade, para lhe responder.

Convém ser preciso nos detalhes. Um email personalizado superficial é tão mau como um email usar um modelo de template.

#3 - Focar no candidato, não em si

Evite escrever sobre a sua empresa, pois o candidato provavelmente já a conhece, ou se ficar interessado, irá procurar saber mais no Google.

Procure descobrir o que pode oferecer ao candidato, e que seja entendido por ele, como uma boa proposta de valor para a sua carreira.

#4 - Ser directo e breve

Diga apenas o necessário, de forma clara e concisa. Não se repita, nem caia no erro de falar demasiado, perdendo o foco da abordagem.

Diz-se, como referência, que o contacto deve ser breve o suficiente, para ser de fácil leitura num smartphone (50-125 palavras) e o assunto entre 3 a 4 palavras.

Alguns estudos sugerem que evitar o discurso neutro e tipificado também beneficia a taxa de resposta. Assim como colocar algumas questões no corpo do email (1-3).

#5 - Não perder, nem fazer perder tempo aos outros

Cold Email dirigido a pessoa sem as competências necessárias

Em vez de contactos generalizados, foque-se nos contactos personalizados e de qualidade. Ao enviar emails em massa, mais não está do que danificar a sua imagem, e da sua empresa. Esse comportamento pode ser visto, e até reportado, como spam.

Apresente projetos apenas quanto estes se encaixam no perfil do potencial candidato. Quanto menos ativa estiver uma pessoa na procura de emprego, mais esforçado terá de ser o seu contacto para gerar interesse na outra parte.

#6 - Não pedir contactos nem compromissos

Cold email demasiado invasivo

Este é um dos erros mais comuns. Um Cold InMail ou Cold Email não deve ter como função obter dados pessoais ou estabelecer compromissos.

O objetivo é gerar interesse e curiosidade. Deste modo levará a outra parte a procurar saber mais sobre aquilo que lhe está a apresentar e assim estabelecer um diálogo.

Não seja invasivo, pedindo contactos na primeira abordagem. Opte por deixar os seus, se assim entender.

#7 - Não enviar emails fora do horário de trabalho

Receber um email de âmbito profissional ao fim de semana, ou depois do tradicional horário de expediente, pode ser um fator percebido como sendo negativo pelo candidato.

Se você está a trabalhar fora de horas, o candidato pode pensar que espera que ele faça o mesmo se for recrutado.

As suas acções são vistas como sendo o reflexo das práticas da empresa que representa.

-

Este é o segundo post escrito por Isabel Cipriano, Técnica de RH. Agradecemos a colaboração e deixamos aqui o Linkedin do perfil.